Logomarca Sesc
Piauí

Apresentações Artísticas

Nuvem Cigana é atração de sábado no Sesc Caixeiral

 

nuvemciga

 

A banda teresinense Nuvem Cigana é atração desde sábado (16) do projeto Oito em Ponto no Sesc Caixeiral, em Parnaíba. O show, livre para todos os públicos, começa às 20h, e tem entrada gratuita.

A banda criada em 2017 participou da II Mostra Tremembé Sesc de Música e se apresenta em bares alternativos de Teresina, programas de TV, recitais de poesia, dentre outros. Atualmente a banda prepara o seu primeiro Demo, que será lançado no segundo semestre.

A Nuvem Cigana tem como integrantes: Bráulio Luís (guitarra e voz), os irmãos, Janielson de Castro (bateria), João Paulo de Castro (baixo) e Jardel de Castro (guitarras e voz), Artéfio Bruno (flauta transversal e voz) e Alexandre Melo (violão e voz).

 

Cia dos Palhações em circulação no Piauí

ciapalhacos

 

Uma comédia musical para todas as idades. Em cartaz no Piauí pelo Palco Giratório “Concerto em Ri Maior”, da Cia dos Palhaços (PR). As apresentações se iniciam dia 26 de maio às 19h no teatro de Arena do Sesc/Senac em Floriano. Em Teresina a apresentação será dia 29 de maio às 15h30 no Theatro 4 de Setembro e em, Parnaíba dia 2 de junho às 19h no Teatro do Sesc Avenida. A entrada é 1 kg de alimento não perecível.

O espetáculo tem como foco a arte do palhaço, do circo, da comicidade, da música e da improvisação, primando pela excelência artística. “Concerto em Ri Maior” surgiu em 2005 a partir de jogos de improvisação do palhaço com a música. No espetáculo o maestro e palhaço Wilson Chevchenco apresenta um concerto baseado em sua origem russa e conta com a ajuda de Sarrafo, seu fiel amigo, para executar as obras de sua família e ser compreendido pela plateia, já que não fala português. O público participa fazendo às vezes do coral. São utilizados vários instrumentos como piano, violão, acordeom, gaita, castanholas e harmônica. 

Na passagem pelo Piauí, a Cia dos Palhaços vai ministrar a oficina “Em busca da criança interior”, direciona a qualquer pessoa acima de 16 anos que desejam conhecer seus “poderes” escondidos. Haverá jogos de improvisação, exercícios teatrais, brincadeiras de roda, jogos recreativos e improvisações livres. As inscrições acontecem nas unidades do Sesc. Em Teresina as inscrições podem ser feitas também na Casa da Cultura, mediante a doação de 1 kg de alimento não perecível.

 

Cia dos Palhaços

A Cia dos Palhaços é um grupo de circo-teatro-música cuja pesquisa é focada na arte do palhaço, do circo, da comicidade, da música e da improvisação, primando pela excelência artística. O grupo nasceu em 2004 e hoje é formado por três artistas: Eliezer Vander Brock (Palhaço Wilson), Felipe Ternes (Palhaço Sarrafo) e Nathalia Luiz (Palhaça Tinoca). Desde 2008 administra o Espaço Cultural dos Palhaços onde realiza, além dos espetáculos, oficinas, festivais, mostras, debates, palestras e encontros de comediantes, improvisadores, palhaços e artistas circenses. A missão da Cia dos Palhaços é pesquisar, criar, e difundir a arte do palhaço em suas mais variadas vertentes com ética, profissionalismo, coerência, qualidade técnica e artística.

 

 

Ficha técnica

Direção Artística: Felipe Ternes de Oliveira

Direção Musical: Eliezer Vander Brock

Elenco: Eliezer Vander Brock (Palhaço Wilson) Felipe Ternes de Oliveira (Palhaço Sarrafo)

Técnico de Som: Candiê Marques Silva

Criação e Operação de iluminação: Anriaider Silva de Conto

Figurinos: Fabianna Pescara e Renata Skrobot

Concepção: Eliezer Vander Brock e Felipe Ternes de Oliveira

Realização: Cia dos Palhaços

Produção: Nathalia Luiz e Fabrício de Angelis

 

Espetáculo

Floriano

26/05 às 19h30

Teatro Maria Bonita

 

Teresina

29/05 às 15h30

Theatro 4 de Setembro

 

Parnaíba

02/06 às 19h

Teatro Sesc Avenida

 

Oficina

Floriano

27/05 – 14h às 20h

Auditório do Sesc

 

Teresina

28/05 – 14h às 20h

Casa da Cultura

 

Parnaíba

31/05 e 01/05 às 14h às 18h

Sesc Avenida

 

 

 

 

Sonora Brasil completa 20 anos

 

 

quinttba

 

Lançado em Recife (PE) o Sonora Brasil Sesc, maior projeto de circulação da música do país, completa 20 anos. As apresentações no Piauí acontecem no final de agosto, em Teresina, Floriano e Parnaíba.

O concerto de lançamento teve a apresentação dos grupos União Josefense (SC) e o Coco de Tebei (PE). Este ano, o projeto apresenta o tema “Bandas: formações e repertórios”.

O projeto já realizou 5.726 concertos com apresentações de 85 grupos, em mais de 150 cidades brasileiras. Nesse período alcançou mais de 600 mil espectadores.

“O Sonora busca despertar o interesse para a produção musical que está fora dos grandes eixos, divulgando expressões musicais identificadas com a história da música no Brasil.”, destaca Gilberto Figueiredo, analista de cultura do Departamento Nacional do Sesc.

Este ano serão realizados 372 concertos, em 97 cidades brasileiras, incluindo todas as capitais.

 

Confira programação do Piauí

TERESINA:

27/08 – Quinteto UFBA (BA)

28/08 – União Josefense (SC)

29/08 – CEMADIPE (GO)

30/08 – Manauense (AM)

 

FLORIANO:

28/08 – Quinteto UFBA (BA)

29/08 – União Josefense (SC)

30/08 – CEMADIPE (GO)

31/08 – Manauense (AM)

 

PARNAÍBA:

30/08 – Quinteto UFBA (BA)

31/08 – União Josefense (SC)

01/09 – CEMADIPE (GO)

02/09 – Manauense (AM)

 

 

 

 

Valdeci apresenta livro de Alarico da Cunha

 Valexi

 

Numa concorrida solenidade, realizada no Teatro do Sesc Avenida, na noite desta sexta-feira (23), foi lançado o livro “Eixo do Tempo”, de Alarico da Cunha. O livro foi reeditado pela Academia de Letras do Piauí, com apoio do Sistema Fecomércio Sesc Senac.

Dentre os presentes, o prefeito de Parnaíba, Mão Santa, membro da Academia Parnaibana de Letras, o presidente da Academia, jornalista José Luiz de Carvalho e vários escritores de Parnaíba, membros da Academia Parnaibana de Letras.

O livro “Eixo do Tempo” foi apresentado pelo presidente da Fecomércio Sesc/Senac no Piauí, Valdeci Cavalcante, que destacou as ações de Alarico da Cunha em Parnaíba. Trata-se de um livro de poesias editado no século XX, em Parnaíba, onde o autor residiu por 60 anos. A poesia de Alarico da Cunha esboça seus gritos de protesto, glorifica seus mitos, seus deuses, seus sonhos, suas mulheres e cantam a epopeia da natureza.

 

Sobre Alarico da Cunha

Alarico José da Cunha nasceu 31.12.1883, em São José das Cajazeiras, depois Flores e hoje a progressista cidade de Timon (MA).

De formação filosófica, era dotado de inteligência privilegiada. Escritor, poeta e pensador. Integrou as Academias de Letras do Piauí e do Maranhão.

Elegeu a cidade de Parnaíba para fixar residência e ali permaneceu por 60 anos ao lado família, instituto por ele considerado como o bem maior da vida.

Destacou-se, também, pela simplicidade no viver. Foi comerciário e agente de companhias estrangeiras. Atuou como despachante aduaneiro. Falava inglês e alemão. Chegou a ser vice-cônsul de Portugal.

Na literatura deixou várias obras escritas tais como: "Discurso Maçônico", "Ode à Mendiga", "Cinema falado", "Exaltação à Beleza", "Nostalgia do Céu" e "Oração Fúnebre".

Alarico da Cunha faleceu aos 82 anos na cidade do Rio de Janeiro.

 

Lançamento do Palco Giratório reúne técnicos de todo o Brasil

coletiva palco 2203 site

 

Numa tenda de circo, na Serraria Souza Pinto, região central de Belo Horizonte (MG), foi lançada na manhã desta quinta-feira a 21ª edição do Palco Giratório. O evento teve a presença de jornalistas, curadores de Cultura do Sesc e representantes do Sesc de todo o país.

Dentre os participantes os técnicos de Cultura do Departamento Nacional do Sesc, Vicente Júnior, Raphael Viana (Artes Cênicas), Mariana Pimentel (Dança), a gerente de Cultura do Sesc Minas Gerais, Eliane Parreiras, a curadora do Palco Giratório em Minas Gerais, Carol Fescina e o homenageado do Palco Giratório 2018, o Palhaço Biribinha.

A coordenadora Regional de Cultura, Rozenilda Castro, a supervisora de Cultura, Lili Machado e o coordenador de Comunicação do Sesc, André Ribeiro, representaram o Sesc Piauí no evento.

O assessor técnico do Sesc Nacional, Vicente Júnior, disse que os espetáculos do Palco Giratório é resultado do trabalho de 34 curadores, que representam o país. “O Palco Giratório traz o que está sendo produzido nos quatro cantos do Brasil e o projeto tem a preocupação de levar arte a quem não tem acesso”, destaca.

Em circulação pelo Brasil de março a dezembro, o Palco Giratório traz 20 grupos, 30 espetáculos que contemplam as linguagens cênicas de dança, circo e teatro. Serão realizadas 32 aldeias (mostras locais) e oito festivais.

Os espetáculos do Palco Giratório vão ser apresentados em 133 cidades do país com 650 apresentações e 1600 horas de oficinas de capacitação voltadas para públicos diversos.

 

Pagina 1 de 99

Editais

Ações

Parceiros